Apneia do sono: 30% dos brasileiros sofrem de uma condição chocante


REPRODUÇÃO/DIVULGAÇÃO

Compartilhe:
Redação
Publicidade


Um novo estudo revelou dados surpreendentes: 30% dos brasileiros sofrem de uma condição chocante. A pesquisa realizada pelo Instituto de Saúde revelou que um terço da população brasileira está enfrentando essa condição.

Saiba mais sobre os resultados desta pesquisa e descubra como você pode ajudar a combater esse problema.



Apneia do sono: 30% dos brasileiros sofrem de uma condição chocante

Paulistanos: 3 em cada 10 são afetados pela apneia do sono

Um estudo realizado pelo Instituto do Sono revelou que 42% dos habitantes de São Paulo roncam frequentemente, gerando não apenas incômodos familiares, mas também doenças como a apneia do sono.

Essa condição, caracterizada por pausas na respiração durante o sono, pode causar sonolência diurna, cansaço, problemas de memória e alterações de humor. Surpreendentemente, o estudo apontou que 32,9% dos paulistanos sofrem com a apneia do sono.

Fatores de risco para a apneia do sono

Segundo a otorrinolaringologista Sandra Doria Xavier, fatores como idade avançada, obesidade, mudanças hormonais e alterações nas vias aéreas superiores aumentam a probabilidade de desenvolver a apneia do sono.

Esse distúrbio pode levar ao surgimento de doenças metabólicas e cardiovasculares, como infarto e AVC.

Publicidade




A influência do peso e da idade no ronco

A obesidade e o sobrepeso são fatores que contribuem para o surgimento do ronco, pois o acúmulo de gordura no pescoço dificulta a passagem de ar.

Com o envelhecimento, os músculos das vias aéreas também se tornam mais flácidos, o que favorece a vibração dos tecidos e o aparecimento do ronco. Além disso, as mulheres podem se tornar mais propensas ao ronco após a menopausa, devido à perda dos hormônios femininos.

Diagnóstico e tratamento do ronco

Para diagnosticar o ronco e identificar a presença de apneia do sono, é realizado um estudo do sono chamado polissonografia. O tratamento inclui ações como a redução de peso, prática de atividade física, diminuição do consumo de álcool e utilização de aparelhos intraorais ou de pressão positiva.

Procedimentos cirúrgicos nas vias aéreas também podem ser realizados em casos específicos.

Publicidade




Lembre-se: o tratamento é para você

É importante lembrar que o tratamento do ronco não deve ser visto como uma forma de agradar aos outros, mas sim como uma maneira de melhorar a qualidade de vida de cada indivíduo.

Além dos sintomas como boca seca e cansaço ao acordar, existem aplicativos para celular que podem auxiliar no monitoramento do sono e identificação de roncos. Tratar o ronco é uma forma de cuidar de si mesmo, evitando os riscos associados à apneia do sono não tratada.

Fonte: Agência Brasil

 

Publicidade






Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *





Últimas Publicações