Chás de A-Z

A Origem do absinto: Mestério da Planta

Reprodução / Divulgação Chás de A-Z: A Origem do absinto: Mestério da Planta

Saiba mais sobre a história da planta do absinto, sua origem, usos e os efeitos colaterais. Explore as lendas que cercam o uso da planta e entenda como ela influenciou a cultura moderna. Entenda também os riscos de consumo e as leis que regem o uso do absinto em todo o mundo.


  • Publicado: março 23, 2023
  • Atualizado: maio 3, 2023 2:39 pm
  • Por: Redação

Tópicos Abordados:

  • A História do Absinto: Origem e Mistério da Planta
  • Da Grécia Antiga ao Século XIX: A Jornada do Absinto
  • O Retorno do Absinto: seu Papel na Cultura Contemporânea
Publicidade

A História do Absinto: Origem e Mistério da Planta

O absinto é uma bebida alcoólica destilada com uma mistura de ervas, incluindo a planta Artemisia absinthium, conhecida como “erva-do-absinto”. Sua história remonta ao Antigo Egito, onde acredita-se que tenha sido utilizada para fins medicinais. No entanto, a origem exata do absinto é envolta em mistério e controvérsia.

Acredita-se que a erva-do-absinto tenha sido utilizada pelos antigos gregos e romanos como uma forma de estimular o apetite e melhorar a digestão. Durante a Idade Média, a planta foi utilizada como um remédio para tratar diversas doenças, incluindo dores de estômago, icterícia e febre.

No século XVIII, o absinto começou a ser produzido em grande escala na Suíça e na França. A bebida tornou-se popular entre a elite francesa e rapidamente se espalhou pela Europa, com muitos artistas e escritores se tornando grandes entusiastas da bebida.

No entanto, o absinto também começou a ser associado a comportamentos perigosos e até mesmo à loucura. Em 1915, a bebida foi proibida em muitos países, incluindo a França, Estados Unidos e Suíça, devido às suas supostas propriedades psicotrópicas.

Publicidade

Da Grécia Antiga ao Século XIX: A Jornada do Absinto

Durante o século XIX, o absinto se tornou a bebida favorita de muitos artistas e escritores, incluindo Vincent Van Gogh, Ernest Hemingway e Oscar Wilde. No entanto, a bebida também começou a ser associada a comportamentos perigosos e até mesmo à loucura.

Em 1905, um homem francês chamado Jean Lanfray matou sua família depois de consumir uma grande quantidade de absinto. O caso chamou a atenção do público para os supostos efeitos psicotrópicos da bebida e levou à proibição do absinto em muitos países.

No entanto, estudos posteriores mostraram que os supostos efeitos psicotrópicos do absinto eram exagerados e que a bebida era tão segura quanto outras bebidas alcoólicas.

O Retorno do Absinto: seu Papel na Cultura Contemporânea

Após décadas de proibição, o absinto voltou a ser produzido legalmente em muitos países. Hoje em dia, é possível encontrar uma grande variedade de absintos no mercado, desde os tradicionais produzidos na Suíça e na França até as novas marcas produzidas em países como Espanha, Alemanha e Estados Unidos.

Publicidade

O absinto também voltou a ser uma bebida popular entre os artistas e escritores, com muitos bares e clubes em todo o mundo oferecendo versões modernas da bebida. Além disso, o absinto também se tornou um ingrediente popular em coquetéis e drinks, adicionando um toque de sabor e complexidade a muitas receitas.

Em resumo, o absinto é uma bebida alcoólica com uma história rica e complexa, que remonta ao Antigo Egito. Embora tenha sido proibido em muitos países no passado, o absinto voltou a ser produzido legalmente e se tornou uma bebida popular na cultura contemporânea. Se você ainda não experimentou um copo de absinto, talvez seja hora de dar uma chance a essa bebida intrigante e misteriosa.


0 Comentários

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *



    VOCÊ CONHECE A LINHA DE PANELAS REDSILVER?

    Além de suas refeições não precisarem de óleo, a RedSilver também não solta substâncias tóxicas (PTFE e PFOA) durante o cozimento, como acontece com as panelas comuns. Muito mais saúde para você e sua família.

    CONFIRA JÁ!